Escolha uma Página
Já sabemos que os minerais são essenciais para a saúde, certo?! Mas você sabe para que serve cada um deles?
 
Minerais são micronutrientes fundamentais à manutenção da vida. Eles têm ação antioxidante, contribuem para a formação dos ossos, para o crescimento, evitam a obstrução das artérias, atuam no sistema imunológico, nas funções cerebrais, entre outras.
 
Ouvi a nutricionitsa Pérola Ribaldo. Veja o que ela destaca sobre três importantes minerais: cálcio, magnésio e zinco!
 
Cálcio
 
É o mineral mais abundante nos seres humanos – mais de 99% está localizado nos ossos. Daí pode imaginar quanto o cálcio é fundamental para nossa massa óssea!
Mas não é só para os ossos que o cálcio é essencial. Ele participa de funções como contração muscular, coagulação sanguínea, formação de enzimas, controle hormonal e absorção de outros nutrientes.
Na prática clínica, observa-se que alimentos ou suplementos de cálcio mantem a saciedade por mais tempo, diminuindo espontaneamente a ingestão calórica. Desta forma, na fase da menopausa, onde há risco de aumento de peso e de massa gorda, o cálcio é um importante coadjuvante.
Em pacientes diabéticos a suplementação de cálcio mostra-se capaz de reduzir os valores glicêmicos, melhorando o estado geral de saúde e prevenindo doenças de risco aumentado no diabetes, como a síndrome metabólica.
 
O baixo aporte de cálcio na criança pode causar o raquitismo.
 
Fontes naturais de cálcio: leite, queijo, cereais integrais, feijão, nozes, amendoim, uva, nabo, couves e lentilhas.
 
Magnésio
 
Atua em mais de 300 processos do organismo. Em conjunto com o cálcio evita cãibra, mantem o bom funcionamento dos nervos, músculos e densidade óssea. O magnésio é indispensável à fixação de cálcio nos ossos, podendo causar ou agravar quadros de osteoporose no adulto e dificultar a calcificação correta dos ossos na infância e adolescência.
A suplementação de magnésio é capaz de melhorar o funcionamento do coração, reduzir a formação de radicais livres e impedir o entupimento de veias e artérias.
O uso de magnésio em pacientes com hipertensão arterial foi capaz de reduzir de forma consistente a pressão.
Um estudo publicado na Revista Americana de Nutrição Clínica, mostra que as altas concentrações de magnésio no sangue são capazes de prevenir morte cardíaca súbita.
Este mineral melhora a ação da insulina em pacientes saudáveis, obesos e pré-diabéticos, sendo sugerido como forma de prevenir o diabetes tipo 2.
O magnésio colabora ainda no equilíbrio celular.
 
De acordo com pesquisas a falta de magnésio está associada ao aumento de incidência do diabetes, síndrome metabólica e doença cardiovascular. A deficiência desse mineral pode causar uma série de complicações com sintomas, como fadiga, cãibra, síndrome pré-menstrual, insônia, irritabilidade, perda de memória, entre outros.
 
Fontes naturais de magnésio: cereais integrais, chocolate, laranja, leite, amêndoas, carnes, vegetais, nozes, castanha do Pará e amendoim.
 
Zinco
O zinco colabora no bom funcionamento do sistema imunológico, no processo de cicatrização dos ferimentos e nas percepções do sabor e olfato.
Colabora para diminuição de gripes, resfriados, e outras doenças comuns no inverno.
Está envolvido nos processos de transporte, função imune e expressão da informação genética.
Pesquisadores ainda sugerem que o zinco possa ter uma ação indireta na formação óssea uma vez que ativa a enzima que estimula célula que leva cálcio para o osso e inibi as células que retiram cálcio do osso para o sangue.
Um estudo alemão, publicado em setembro desse ano, avaliou a associação de zinco, magnésio e omega3 como em crianças e adolescentes com déficit de atenção e hiperatividade. Foi observado considerável melhora no estado emocional, atenção e comportamento.
 
A deficiência de zinco resulta em maior risco cardiovascular e renal, além de estar associado à depressão e ansiedade.
Estudos recentes demonstram forte relação da deficiência de zinco com a baixa densidade óssea. Em crianças o baixo aporte deste mineral pode causar retardo de crescimento.
 
Fontes naturais de zinco: carnes vermelhas e brancas, fígado, mariscos, ostras, farelo de trigo e grãos integrais, leite e derivados e leguminosas como o feijão
 
Cálcio, zinco e magnésio: uma alternativa para garantir o consumo desses minerais é a suplementação!
 
 
A combinação desses três minerais auxilia na manutenção de ossos fortes e dentes saudáveis. Além disto, apresentam papel importante para o sistema cardiovascular, nervoso, muscular e para a coagulação sanguínea.
 
A suplementação de cálcio e magnésio melhora sintomas da TPM.
 
Sabe-se também que cerca de 30% das mulheres que estão na menopausa apresentam algum nível de perda óssea, sendo fundamental a suplementação de cálcio.
 
Europeus mostraram que a hipertensão gestacional pode desenvolver-se pela falta de cálcio e magnésio. Estudo conduzido pela África do Sul mostrou que em gestantes com suplementação de cálcio reduziu-se pela metade o risco de pré-eclâmpsia e parto prematuro.
 
Na fase de amamentação o cálcio previne a redução da densidade óssea, comum nessa fase. Um estudo suíço aponta que bebês de mães que usaram suplementação de cálcio na gravidez, tiveram menor ocorrência de cáries, pelo menos até os 12 primeiros anos de vida.
 
 
Bora começar 2013 cuidando da saúde?!
A decisão é sua!
;D
 

Pin It on Pinterest

Share This